Projeto pretende acabar com uso do dinheiro em espécie

Um projeto de lei quer por fim ao uso do dinheiro em espécie no Brasil, se aprovado as transações seriam feitas apenas por meio digitais e através de cartões.

Um projeto de lei está sendo estudado pela Câmara dos Deputados, de autoria do deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) o projeto PL 48/15 pretende pôr fim à produção, circulação e uso das cédulas de dinheiro e determina que as transações financeiras sejam realizadas apenas através do meio digital, como por exemplo os cartões de crédito, débito e pré-pago. 


O deputado argumenta que as transações feitas por meio do Internet Banking (site de bancos), máquinas de cartões e celulares tem se tornado cada vez mais comum no país, ele acredita que a extinção do dinheiro em espécie será capaz de trazer muitos benefícios à sociedade, colocando o Brasil em um novo patamar de organização fiscal e tributária, além de combater à violência, sonegação de impostos, tráfico de drogas e corrupção.

O projeto tramita em carácter conclusivo e será agora analisado pelas comissões de Finança e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Nossa opinião
Embora o uso dos Cartões de Crédito e Débito sejam cada vez mais comum no país, ainda há muitos estabelecimentos que não aceitam pagamentos com o dinheiro de plástico, a explicação é simples, ao aceitar cartões o estabelecimento acaba tendo que pagar um porcentual das vendas para a administradora da máquina ou terminal de cartões, esse preço acaba sendo embutido no preço dos produtos, encarecendo-o.

Nos Estados Unidos por exemplo existe um movimento contrário ao uso dos cartões de crédito justamente por isso, há estabelecimentos conceituados deixando de receber pagamentos com o “dinheiro de plástico” para diminuir o custo e consequentemente vender mais barato ao consumidor.
Nem mesmo os países desenvolvidos pensam em abolir o uso do dinheiro em espécie. Tal movimento pode aumentar a margem de lucro dos bancos e administradoras, porém para o consumidor isso seria péssimo, já que sua vida financeira seria “controlada” literalmente por uma instituição bancária.

Além disso tal atividade poderia por fim ao trabalho informal, já pensou manicure, cabeleireiros e até vendedores ambulantes não conseguindo vender/trabalhar porque não aceitam o “dinheiro” em circulação e/ou porque não estão juridicamente formalizados? Se decidir alugar um imóvel para terceiros também não terá como escapar do fisco, já que terá que declarar tudo para o governo, aliás, ele ficará sabendo tudo que você recebe muito antes de declarar.

Para o Governo e para os bancos isso seria bom pois aumentaria consideravelmente a arrecadação, já para o consumidor isso não parece nem um pouco vantajoso.

Qual a sua opinião sobre o tema? Comente abaixo

0 comentários:
Postar um comentário